Slideshow

Breaking News

O golpe de Dilma e do PT contra o impeachment

Muitos dos que agora engrossam o canto do "não vai ter golpe" estiveram nas ruas décadas antes exigindo a saída de FHC
Dilma e o PT repetem exaustivamente que o processo de impeachment em curso é uma tentativa de golpe contra o governo.

Isso é tão falso quanto à garantia que ela deu durante a campanha eleitoral de que não retornaria com a CPMF.

Os incautos e as viúvas de Lula ficam excitadas com essa cantilena, que tem como propósito óbvio iludir a opinião pública.

Dilma quer passar para a nação a ideia de que está sendo apeada do poder por uma horda de oposicionistas, juízes e jornalistas.

Todos conspiradores baratos.

Todos dispostos a derrubar uma governante legitimamente eleita pelo povo.

Ora, vamos ser claros: o impeachment está previsto na Constituição.

Portanto, não é golpe.

Só teremos uma ruptura constitucional caso não sejam observados todos os mecanismos de defesa previstos em lei.

E isso não está acontecendo.

Dilma está tendo direito ao contraditório no campo jurídico. E na arena política, que é, de fato, onde o jogo é jogado, pode utilizar todo o seu arsenal, inclusive, nomeando ministro alguém investigado pela Justiça. Ou oferecendo ao PMDB todas as joias que ainda restam da coroa.

O impeachment faz parte do nosso ordenamento jurídico-institucional. Não é por ter sido eleita, que Dilma pode achar que está acima da lei. Que não deve satisfações pelos malfeitos que possa ter cometido.

É interessante lembrar que muitos dos que agora engrossam o canto do "não vai ter golpe" estiveram nas ruas décadas antes exigindo a saída de Fernando Henrique Cardoso.

Alguns juristas que assinaram o pedido de impeachment de FHC são os mesmos que agora dizem que impeachment é golpe.

Pau que bate em Chico bate em Francisco, sabem os mais velhos.

O PT tem um modo próprio de seguir a Constituição.