Suspeita de matar a filha de três dias diz que agiu por 'questões financeiras'Suspeita confessou o crime

quarta-feira, março 09, 2016
Foto: André Lara/ Portal A Rede/ Jornal da Manhã
A diarista Maria Geni Lourenço de Oliveira, de 41 anos, que confessou ter matado a filha de apenas três dias, em Ponta Grossa, no Paraná, contou para a polícia que cometeu o crime por “questões financeiras”. Ela também enganou vizinhos dizendo que havia dado a criança para que eles não suspeitassem do crime. As informações foram confirmadas ao EXTRA, nesta quarta-feira, pelo delegado Josimar Antônio da Silva, da 13ª Subdivisão Policial (SDP), que ouviu a suspeita e investiga o caso.

De acordo com o investigador, o crime aconteceu na noite de domingo, no bairro Jardim Panorama, na região do Contorno, horas após a mulher ter deixado a maternidade com a menina. A diarista contou que usou um facão para cortar o pescoço da recém-nascida. Em seguida, escondeu o corpo da vítima em um saco plástico, que foi posto sob telhas, no quintal da casa onde ela vivia. A diarista foi presa no dia seguinte por agentes da Polícia Militar, que receberam uma denúncia anônima sobre o assassinato.

“Ela deixou a maternidade por volta de meio-dia e quando foi meia-noite e meia ela cometeu o crime. Ela praticamente me disse que agiu por questões financeiras, porque é muito pobre. Mas não deu muitos detalhes. Ela ficou tentando achar uma justificativa para o injustificável contou o investigador.

Ainda segundo o delegado, a mulher chegou à delegacia e lamentou o ocorrido.

Ela se mostrou arrependida e disse que se pudesse passar uma borracha em tudo, passaria.

O agente contou ainda que a suspeita enganou os vizinhos para que eles não estranhassem o sumiço da pequena.

Ela disse para quem apareceu para visitar o bebê que o havia dado.

Arma do crime foi apreendida Foto: André Lara/ Portal A Rede/ Jornal da Manhã
A arma usada no crime, um facão, foi apreendida no interior da casa da suspeita. Maria Geni pode responder pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. Nesta segunda-feira, ela foi levada para uma penitenciária da região. Ainda será apurado se a mulher sofre de algum transtorno psicológico. O pai da criança não foi identificado.

O EXTRA entrou em contato com a Prefeitura de Ponta Grossa para saber se a suspeita fazia algum tipo de acompanhamento psicológico no sistema público de saúde, mas ainda não teve retorno.

O corpo da recém-nascida foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Ponta Grossa. A mulher, segundo a polícia, tem um filho de 20 anos, que não estava na casa na hora do crime.


EXTRA
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Destaque

Veja Também

Acidentes (649) Altamira (948) Anapu (47) Belo Monte (220) Belo Sun (13) Brasil (1660) Brasil Novo (630) Celebridades (76) Ciência (177) Cinema (67) Clima e Tempo (40) Curiosidades (753) Desaparecidos (10) Eleições (175) Esporte (72) Governo Federal (306) Ibama (56) Imprensa (107) Internet (341) Itaituba (163) Justiça (620) Marabá (37) Medicilândia (160) Mundo (764) Música (124) Norte Energia (185) Novo Repartimento (23) Pacajá (38) Pará (772) Placas (43) Polícia (2004) Política (1030) Porto de Moz (25) Religião (527) Rurópolis (67) Santarém (200) SBT (290) Souzel (35) Tecnologia (214) Televisão (344) Transamazônica (342) Tucuruí (38) Uruará (290) Vitória do Xingu (123)