1ª etapa de vacinação contra aftosa termina nesta terça

terça-feira, maio 31, 2016

Termina nesta terça-feira (31) a primeira etapa anual de vacinação contra a febre aftosa no Estado, com exceções do arquipélago do Marajó e dos municípios de Faro e Terra Santa, que têm períodos distintos. A meta da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) é manter o estado livre da doença com vacinação, o que implica um índice vacinal acima de 90%, o que vem sendo alcançado desde 2005. Após a vacinação, o produtor rural tem até o dia 15 de junho para comunicar à Adepará onde está cadastrada, o que finaliza o processo.

O Governo do Estado, por meio da Adepará, é responsável pela campanha, que tem importância estratégica para a balança comercial do estado. Servidores da agência em todos os municípios acompanham o trabalho para garantir que todo o processo de vacinação atenda às metas da Agência. De acordo com o gerente do Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, o médico veterinário George Santos, somente com o fim do período de notificação é que se terá os números oficiais da etapa, mas alguns indicativos são sintomáticos de que o Pará deve manter a meta de cobertura vacinal acima de 90% e assim o status conquistado em 2014 junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

‘O importante é a proteção do rebanho. A vacina é a única forma de evitar a febre aftosa e também de manter o Estado livre da doença. Felizmente a maior parte dos produtores são bastante conscientes quanto à importância de comunicar a vacinação à Adepará, do quanto ela é parte da etapa. Sem ela, é como se não houvesse a vacinação’, informa o gerente.

‘Os dados do Sindan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal) apontam para uma venda direta de mais de 16 milhões de doses de vacinas para o Pará, a partir da segunda metade de abril, sendo que, no Pará, as revendas já tinham em estoque mais de 5 milhões de doses. Até o dia 24 de maio, o Siapec (Sistema de integração Agropecuária) apontava para um total de 15.957.640 doses de vacinas vendidas, o que dá uma dimensão de que o Estado está no caminho de manter o status, sem falar que nos últimos dias a venda chega ao ápice’, completa George Santos.

Diretor Geral da Adepará, o também médico veterinário Luciano Guedes, ressalta a importância estratégica de manter o Pará com o status atual. ‘Nosso Estado produz muito mais carne bovina do que consome. Os paraenses consomem apenas 25% do que produzem. Assim, o Estado precisa garantir mercados. A vacinação e a comprovação dela são exigências não só dos Estados compradores como de outros países. Existe um acordo internacional que exige isso. O Pará é livre de aftosa com vacinação e para manter esse status precisamos ter a vacinação’.

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (686) Altamira (1002) Anapu (48) Belo Monte (224) Belo Sun (14) Brasil (1766) Brasil Novo (643) Celebridades (89) Ciência (187) Cinema (70) Clima e Tempo (42) Curiosidades (865) Desaparecidos (11) Eleições (218) Esporte (74) Governo Federal (337) Ibama (57) Imprensa (113) Internet (384) Itaituba (171) Justiça (666) Marabá (42) Medicilândia (174) Mundo (818) Música (129) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (41) Pará (842) Placas (44) Polícia (2109) Política (1160) Porto de Moz (25) Religião (549) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (299) Souzel (37) Tecnologia (229) Televisão (364) Transamazônica (354) Tucuruí (47) Uruará (302) Vitória do Xingu (130)