MPF denuncia desvio de R$ 1,7 milhão da UFPA

quarta-feira, junho 29, 2016
(Foto: Ney Marcondes/Diário do Pará)
O Ministério Público Federal (MPF) denunciou à Justiça um grupo de 16 servidores públicos acusados pelo desvio de R$ 1,7 milhão em recursos federais destinados ao financiamento de projetos educacionais da Universidade Federal do Estado do Pará (UFPA).

Os recursos foram desviados entre 2005 e 2009 na Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), gerenciadora das verbas. Foram denunciados servidores da fundação que na época atuavam como diretores, coordenadores técnicos de projetos e, principalmente, componentes de comissões de licitações.

Segundo o MPF, a denúncia pelos crimes de peculato, formação de quadrilha e uso de documentos falsos foi encaminhada à Justiça Federal em Belém na última sexta-feira (24). Caso condenados, os acusados podem ser punidos com até 22 anos de cadeia, pagamento de multas e reparação integral dos prejuízos aos cofres públicos.

As licitações não eram publicadas no portal da Transparência da Fadesp, não eram submetidas a pareceres jurídicos e não contavam com documentos essenciais, como comprovantes de entregas de convites a empresas licitantes e envelopes de habilitação e propostas.

Os suspeitos de envolvimento são: Carlos Alberto Tabosa da Silva Júnior; João Farias Guerreiro; Marlene Perotes de Araújo Brabo; Selma Dias Leite; Cleidy Aparecida Alves Lopes; Marcelo Aguiar de Oliveira Costa; Marcela Rodrigues Marçal; Eliana Alzira Levy Gomes Fernandes; Ney Cristina Monteiro de Oliveira; Evanildo Moraes Estumano; Jacqueline Cunha da Serra Freire; Paulo Flávio Fonseca Bezerra; Joselina Alves Araújo; Rodrigo Gonzaga Lemos; Raimundo Alberto de Figueiredo Damasceno e Wanderléia Azevedo Medeiros Leitão.

Como funcionava o esquema


De acordo com o MPF, o esquema funcionava com as seguintes etapas:

1. Coordenador de projeto educacional solicitava à Fadesp contratação de empresa para fornecimento de serviços ou materiais;

2. A Fadesp selecionava a empresa por meio de licitações irregulares, baseadas em documentos falsos fornecidos pela comissão de licitação;

3. A vencedora da licitação era, na maioria das vezes, uma empresa de fachada;

4. O grupo criava documentação falsa para parecer que os materiais ou serviços contratados haviam sido entregues;

5. As notas fiscais frias, referentes a esses produtos ou serviços, eram atestadas pelo coordenador de projeto;

6. Os cheques para pagamento desses serviços eram emitidos nominalmente para a própria Fadesp, e descontados em agências bancárias por integrantes do grupo de fraudadores.

(Com informações do MPF)

Destaque

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (678) Altamira (988) Anapu (48) Belo Monte (222) Belo Sun (13) Brasil (1739) Brasil Novo (640) Celebridades (85) Ciência (184) Cinema (70) Clima e Tempo (41) Curiosidades (832) Desaparecidos (11) Eleições (200) Esporte (73) Governo Federal (332) Ibama (57) Imprensa (112) Internet (370) Itaituba (171) Justiça (656) Marabá (40) Medicilândia (165) Mundo (803) Música (128) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (40) Pará (824) Placas (44) Polícia (2079) Política (1126) Porto de Moz (25) Religião (541) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (295) Souzel (35) Tecnologia (227) Televisão (358) Transamazônica (349) Tucuruí (45) Uruará (299) Vitória do Xingu (126)