Slideshow

Breaking News

Militantes do PT que fraudaram Bolsa Família podem se tornar alvos de ações na justiça


O Ministério Público Federal descobriu que mais de 500 mil funcionários públicos receberam indevidamente o Bolsa Família, numa fraude que superou a casa dos R$ 2.5 bilhões.

Coincidentemente, o número de estelionatários cresceu vertiginosamente no período que antecedeu a reeleição da presidente afastada, Dilma Rousseff. A investigação do Ministério Público levou em conta o cruzamento de dados da Receita Federal, de Tribunais de Contas, do TSE e do Ministério do Desenvolvimento Social, que é responsável pelo Bolsa Família. O programa pagou mais de R$ 2,5 bilhões entre 2013 e 2014 a quem não tinha direito.

Foram identificados mais de 1 milhão de fraudadores, sendo que deste total, cerca de 500 mil funcionários públicos, distribuídos entre servidores federais, estaduais e municipais. Os governo do PT de Dilma, de governadores e prefeitos fizeram vistas grossas para que milhares de militantes do partido passassem a receber o benefício. Cerca de 90 mil servidores doaram de volta o que receberam para os partidos.

Na outra ponta, milhares de famílias carentes não conseguiram efetuar o cadastro para receber os benefícios no mesmo período. Os procuradores cobraram informações do Ministério do Desenvolvimento Social sobre a execução e a fiscalização do Bolsa Família e também vão pedir informações às prefeituras, que são as responsáveis pelos cadastros das famílias no programa. Muitos fraudadores poderão sofrer processos na justiça pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica.

Nenhum comentário