Slideshow

Breaking News

Homem é executado com tiro no olho, em Manaus AM


Policiais da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) receberam um telefonema anônimo informando que nesta quinta-feira à tarde um homem iria morrer porque se envolveu num relacionamento amoroso com a namorada de um poderoso traficante de drogas da Zona Leste de Manaus.

A linha de investigação agora tenta descobrir se o telefonema tem algum vínculo com o assassinato de um vendedor de CD e DVD, morto por volta das 12h30 desta quinta-feira, na Avenida Perimetral, bairro Nova Vitória.

O crime com todas as características de uma execução planejada aconteceu na frente de uma pequena loja onde a vítima trabalhava.

Dois homens usando capacetes chegaram em uma motocicleta e pararam na frente da lojinha de venda de artigos pirateados para cometer o crime.


O “pirateiro” saiu para atender a dupla e foi assassinado com um tiro que atravessou o seu olho direito para a nuca. Antes da fuga do local, os pistoleiros ainda dispararam mais dois tiros na cabeça da vítima. Até às 16 horas o nome do vendedor de produtos piratas ainda não estava oficialmente confirmado, segundo informação da recepção do Instituto Médico Legal (IML).

Policiais da DEHS confirmaram que o telefonema existiu, mas afirmaram que entenderam a ligação como mais um dos muitos trotes que a especializada e outras unidades policiais sempre recebem quase diariamente.

Um dos investigadores disse que, na gíria popular, o termo “fura olho” é direcionado a homens que cobiçam ou se insinuam para alguma mulher comprometida.

Por esse motivo, o telefonema recebido pela polícia, avisando que um homem seria morto porque seduziu a mulher de um traficante, pode ter ligação com o crime no bairro Nova Vitória.

“Ao que tudo indica os pistoleiros vieram e executaram esse rapaz com o tiro no olho para indicar quem era o “fura olho” marcado para morrer por seu envolvimento com a tal mulher do traficante”, comentou um dos policiais ainda no local do crime que já está sob a investigação da DEHS.

Nenhum comentário