Pará terá atos contra proibição da vaquejada

terça-feira, outubro 11, 2016
MALTRATO OU ESPORTE?
(Foto: Reprodução)
O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou na última quinta-feira (06) como inconstitucional a lei que regulamentava os espetáculos de vaquejada. De acordo com o entendimento da Corte Máxima do país, a vaquejada passa a ser considerada uma prática ilegal, ligada a maus-tratos de animais e, portanto, proibida.

A ação foi movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e questionava, especificamente, a legislação cearense. Contudo, a decisão do STF poderá ser aplicada nos demais estados e no Distrito Federal. O julgamento, iniciado em agosto do ano passado, terminou com seis votos a favor da inconstitucionalidade e cinco contra.

Votaram a favor os ministros Marco Aurélio Mello, relator do caso, Roberto Barroso, Rosa Weber, Celso de Mello, Ricardo Lewandowisk e a presidenta Cármen Lúcia. Ao apresentar seu voto, que desempatou o julgamento, Cármen Lúcia reconheceu que a vaquejada faz parte da cultura de alguns estados, mas considerou que a atividade impõe agressão e sofrimento animais.

Protestos

Em resposta a decisão do STF, o dia desta terça-feira (10) foi marcado por manifestações em todo o Brasil organizadas por associações de vaqueiros e simpatizantes da prática. No Pará, Marituba, Marabá e Santarém houve protestos.

Os protestos nas três cidades são organizados pela Associação Sul Paraense de Vaquejadas (ASPV). Em Marituba teve a presença de políticos favoráveis a vaquejada, entre eles Sidney Rosa, autor do projeto de lei votado e aprovado na Assembleia Legislativa do Pará reconhecendo a vaquejada e os rodeios como patrimônio cultural e esportivo do estado do Pará.

Segundo Marlon Porto, presidente da ASPV, caso o STF mantenha a decisão, muitos trabalhadores podem ficar sem emprego. “A vaquejada é genuinamente brasileira, criada no nordeste há mais de 100 anos. É um mercado muito grande, o segundo maior público desportivo do Brasil, só perde para o futebol. Gera mais de 600 mil empregos, o STF tem que pensar nisso”.

“Somos criticados, mas ninguém vê as mudanças que fizemos em prol do bem do animal. Aqui no Pará por exemplo, é proibido o uso de chicote, protetor de calda e material cortante que faça o animal sangrar”, explica Marlon, afirmando ainda que espera que seja regulamentada uma lei nacional que coloque a vaquejada como cultura.

DOL com informações da Agência Brasil

Destaque

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (649) Altamira (951) Anapu (47) Belo Monte (220) Belo Sun (13) Brasil (1667) Brasil Novo (630) Celebridades (78) Ciência (177) Cinema (67) Clima e Tempo (40) Curiosidades (762) Desaparecidos (10) Eleições (178) Esporte (72) Governo Federal (310) Ibama (56) Imprensa (108) Internet (342) Itaituba (164) Justiça (624) Marabá (37) Medicilândia (160) Mundo (769) Música (125) Norte Energia (185) Novo Repartimento (23) Pacajá (38) Pará (776) Placas (43) Polícia (2008) Política (1038) Porto de Moz (25) Religião (529) Rurópolis (67) Santarém (201) SBT (291) Souzel (35) Tecnologia (215) Televisão (345) Transamazônica (342) Tucuruí (39) Uruará (291) Vitória do Xingu (123)