Transamazônica: Em busca de alternativas, comunidades experimentam com a produção de chocolate e mingau de babaçu

segunda-feira, outubro 24, 2016

Não é só madeira, ouro e gado que circulam pela Transamazônica paraense. Sob potentes ares-condicionados, uma fábrica está transformando em chocolate parte do cacau de Medicilândia, cidade a 537 km em linha reta de Belém, o maior produtor nacional da fruta. Perto de Uruará (a 635 km de Belém, em linha reta), a castanha-do-pará já sai da floresta embalada, e pequenos agricultores complementam a renda vendendo farinha de babaçu para escolas municipais.

Com o bombom de cupuaçu como carro-chefe, a cooperativa Cacauway funciona há seis anos às margens da rodovia, em Medicilândia. Matéria-prima não falta: no ano passado, o município, que tem um dos solos mais férteis da Amazônia, produziu quase 42 mil toneladas, o triplo da segunda colocada, a mais famosa Ilhéus (BA).

Atualmente, apenas a cooperativa, com 40 sócios e 15 funcionários, fabrica chocolate na região. Os números são ainda modestos: a unidade processa cerca de 22 toneladas de cacau/ano, e a produção é vendida apenas nas seis lojas próprias espalhadas pelo Estado do Pará.

Apesar da pequena escala, o dirigente da Cacauway e ex-vereador de Medicilândia, Ademir Venturin, afirma que a cooperativa indica caminhos alternativos e mais sustentáveis para a cidade, cuja receita municipal vem quase toda de repasses (93%) e amarga o 5.245° lugar (de um total de 5.281) no ranking de eficiência da Folha(REM-F).

“Está testado: é possível garantir agricultura familiar, ter atividades que vivem harmoniosamente com o meio ambiente, gerar emprego e renda, fixar o homem no campo e oferecer resultados de cacau e chocolate com agregação de valor excelente”, afirma Venturin.

No campo ambiental, os defensores do cacau afirmam que, embora o plantio seja em áreas desmatadas, o cultivo, perene, é menos agressivo do que culturas como a cana, a fracassada aposta inicial para a região. Não há uso do fogo e, por causa da necessidade de sombreamento da planta, o reflorestamento é praticamente obrigatório.
Trabalhador colhe cacau em plantação em Medicilândia (PA). Foto: Lalo de Almeida – 30.set.2016 /Folhapress 
EMBALANDO NA FLORESTA

Não é fácil chegar à comunidade Rio Novo, na Reserva Extrativista (Resex) do rio Iriri. Depois de duas horas de carro em estrada precária, são necessários outros 40 minutos de barco para chegar a um punhado de casas cercadas pela mata. É ali que, há seis anos, funciona uma miniusina de produtos da floresta, com a castanha-do-pará de carro-chefe.

O projeto, apoiado pelo ISA (Instituto Socioambiental), conseguiu contornar dois problemas históricos do extrativismo: contratos diretos com o mercado, nos quais elimina o atravessador, e o beneficiamento do produto dentro da reserva, o que gera renda na comunidade.

“Com o processamento, melhorou muito para as famílias da comunidade. Antes, era só no peixe, mas não estava dando renda porque não estavam pegando, e hoje o pessoal se sente mais à vontade com a castanha”, afirma Raimunda Rodrigues, 27, nascida e criada em Rio Novo.

Além da família de Raimunda, a miniusina emprega oito funcionários de comunidades vizinhas, que complementam a renda com Bolsa Família. A quebra da castanha é feita com a ajuda de máquinas de fazer botão adaptadas. Depois de processada, é colocada em embalagens plásticas e transportada de barco e carro até Altamira (PA), viagem de cerca de 300 km.

A reserva do rio Iriri faz parte da Terra do Meio, um conjunto de áreas protegidas contíguas que, somadas, chegam a 8,5 milhões de hectares –pouco maior do que a Áustria. A região inclui ainda três terras indígenas e o Parque Nacional da Serra do Pardo, entre outras unidades protegidas.

Para ambientalistas, a geração de renda via extrativismo ajuda a preservar a floresta ao oferecer a ribeirinhos e índios alternativas à madeira e à criação de gado. Críticos, no entanto, afirmam que a atividade é inviável pela escala pequena e pelas dificuldades de trabalho e logísticas.
Morador da comunidade de Rio Novo, na Reserva Extrativista do Rio Iriri, no Pará, trabalha no beneficiamento da castanha de usina comunitária. Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress 
MINGAU

Na cidade de Uruará funciona a sede da associação Sementes da Floresta, que reúne 22 famílias dedicadas à agricultura familiar e ao extrativismo florestal.

A pequena loja na cidade vende produtos como vela de andiroba e sabonete de cupuaçu, mas a grande aposta é o mesocarpo de babaçu, uma farinha fina de mingau.

A associação, iniciada em 2007 com 70 famílias, começou a vender o mesocarpo neste ano para entrar na merenda das escolas municipais de Uruará. No futuro próximo, espera expandir para outras cidades –é a esperança para aumentar a escala da comercialização.

Outra iniciativa é fazer, com recursos próprios, o reflorestamento com algumas das espécies mais cobiçadas pelos madeireiros. “Temos a visão de que, se ninguém botar a mão no meio e reflorestar essas árvores, o ipê, a andiroba e o mogno deixarão de existir”, diz João da Silva Filho, presidente da associação.

“Estamos nadando contra a enxurrada do desmatamento, é difícil”, afirma a irmã franciscana Ângela Sauzen, uma das idealizadoras do projeto. “Muita gente nos chama de loucos, uns com raiva, outros com inveja. Estamos vendo resultados, mas é preciso muito esforço.”

RAIO-X

Cidade: Medicilândia (PA)
Ranking de Eficiência (REM-F): 5.245º (0,223) Ineficiente
IDHM (2010)*: 0,582 (baixo)
Área desmatada (km²): 2.066 (24,9%)

*Números de 2010. O índice varia de 0 a 1. Os municípios da Transamazônica são de desenvolvimento baixo ou médio. O IDH do Brasil é 0,755.

Textos: Fabiano Maisonnave
Fotos: Lalo de Almeida
Fonte: Folha de São Paulo

Destaque

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (677) Altamira (986) Anapu (48) Belo Monte (222) Belo Sun (13) Brasil (1734) Brasil Novo (639) Celebridades (85) Ciência (182) Cinema (70) Clima e Tempo (41) Curiosidades (826) Desaparecidos (10) Eleições (198) Esporte (73) Governo Federal (331) Ibama (57) Imprensa (112) Internet (367) Itaituba (171) Justiça (654) Marabá (39) Medicilândia (165) Mundo (801) Música (127) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (40) Pará (823) Placas (44) Polícia (2076) Política (1122) Porto de Moz (25) Religião (541) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (295) Souzel (35) Tecnologia (227) Televisão (357) Transamazônica (349) Tucuruí (45) Uruará (299) Vitória do Xingu (126)