HRBA realiza primeiro transplante de rim de Santarém

terça-feira, novembro 08, 2016
Depois de um procedimento de quase seis horas, Raimundo Soares, de 50 anos, recebeu o rim que vai possibilitá-lo retomar sua vida normal, longe das máquinas de hemodiálise que o acompanharam há quase seis anos. Quem doou o órgão foi o irmão, Leandro Soares, de 34 anos. O procedimento foi realizado na quinta-feira, 3/11, no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA). Este foi o primeiro transplante realizado no município de Santarém (PA).


Depois do procedimento, Raimundo não conseguia esconder a felicidade. “O sentimento é de alegria. Agradeço primeiro a Deus e, depois, ao meu irmão, que disse que ia doar e doou o rim para mim. Estou muito feliz com ele. Agora eu pretendo ir para minha terra”, conta. Ele e o irmão são de Terra Santa, também no Oeste do Pará, mas, por conta do tratamento de hemodiálise, teve que se mudar para Santarém.


O irmão também se mostrou feliz pelo resultado. Ele acompanhou, durante anos, o sofrimento de Raimundo. “Foi um sonho que se tornou realidade. Tenho essa vontade desde a primeira vez que vim visitá-lo. Eu conversei com o médico para ver qual era a possibilidade para ajudar meu irmão. Ele falou que tinha essa possibilidade e eu disse que aceitaria', lembra Leandro. Ele fez os exames para ver se era compatível e iniciou a caminhada. 'Hoje eu me sinto muito feliz em poder ter ajudado meu irmão a sair da máquina, assim como toda a minha família está feliz. Para mim isso é muito gratificante', revela.


Esse procedimento marcou o início dos transplantes do Hospital Regional de Santarém, que se preparava desde 2014. Até o final do ano, mais dois transplantes estão previstos. “O transplante significa esperança e reascendeu uma luzinha que estava meio apagada nos pacientes. Só pelo fato de termos marcado os transplantes, já percebemos o clima completamente diferente dentro da hemodiálise. Isso deu esperança para os pacientes que estavam fadados a ficarem o resto da vida naquelas máquinas”, conta o responsável técnico de transplantes do HRBA, nefrologista Emanuel Esposito.


A previsão é de que a unidade realize 24 procedimentos em 2017, com uma média de dois por mês. No início, a equipe médica do HRBA conta com o apoio técnico de especialistas na área de transplantes. “O hospital tem plenas condições, com bloco cirúrgico bem estruturado e equipe cirúrgica capacitada, que apenas requer uma adequação a esse novo procedimento. O hospital e a região vão se beneficiar muito com essa cirurgia, que vai dar nova esperança para esses pacientes terem uma vida mais livre, com qualidade”, diz cirurgião Fabian Pires, médico da Santa Casa de Porto Alegre (RS), e que comandou o primeiro transplante da unidade.


Existem dois tipos de doadores: os doadores vivos e os doadores falecidos. Entre vivos, são feitos diversos exames para se certificar de que o doador esteja saudável e possui rins com bom funcionamento. Também é avaliado o risco da realização da cirurgia. É preciso que o doador vivo manifeste o desejo espontâneo e voluntário de ser doador. A comercialização de órgão é proibida.

Já no caso de doadores falecidos, é preciso que tenha o diagnóstico de morte encefálica, com padrões definidos pelo Conselho Federal de Medicina. Para que a doação seja concretizada, a família do doador deve autorizar o procedimento. Por isso é importante expressar, em vida, o desejo de doar órgãos e tecidos. A recusa familiar tem sido fator determinante para que o número de doações permaneça baixo.


Para conseguir atingir a meta de transplantes, o número de doações de órgãos vai ter que aumentar na região. Serão necessárias, pelo menos, seis doações (doadores falecidos) no ano que vem. A tarefa não é fácil, já que a doação de órgãos e tecidos no Brasil ainda enfrenta diversas barreiras. O HRBA está habilitado para realizar captações desde 2012. No entanto, é baixo o número de doadores. Entre janeiro de 2012 e março de 2016, ocorreram 85 notificações de possíveis doadores, mas apenas nove se concretizaram. O principal motivo ainda é a recusa familiar. Em 29 casos, a família não autorizou a doação.


Em 2015, houve 25 notificações, mas nenhuma doação foi realizada. Em 2016, apenas uma captação foi realizada. Desde 2012, o hospital captou apenas 49 órgãos, sendo que foram 16 rins. “Só tem transplante se houver doação. É a única forma de tratamento que depende da sociedade. Se eu precisar de uma cirurgia, por exemplo, eu espero e faço. Mas se eu precisar de um transplante, se não houver doação, eu não vou fazer. Temos sempre que lembrar que é uma via de duas mãos. Eu posso estar na mão de ter um familiar que faleceu e doar o órgão ou eu posso estar na mão de ter um filho que precisa do transplante”, alerta o tutor da equipe de transplante do HRBA, nefrologista Valter Garcia.



Para o diretor Geral do HRBA, Hebert Moreschi, esse dia vai ficar marcado na história da saúde do Pará e da Região Norte do país. “Realizamos o primeiro transplante renal que fecha um ciclo de assistência ao paciente renal crônico. Sabemos que há uma grande demanda existente para essas patologias, nós temos quase 300 pacientes que são assistidos pelo Hospital Municipal e o Hospital Regional, que são potenciais receptores de um rim. O HRBA se transformará, em breve, em um polo de transplantes. Tenho certeza que muitas pessoas terão uma mudança completa de vida, com a independência da máquina de hemodiálise para ter uma vida com qualidade”, destaca Moreschi.

Hospital

O Hospital Regional de Santarém é uma unidade de saúde pública e gratuita pertencente ao Governo do Pará, administrado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade atende casos de média e alta complexidades e presta serviço 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sendo referência no Norte do Brasil quando o assunto é tratamento de câncer. A instituição atende a uma população estimada em mais de 1,1 milhão de pessoas residentes em 20 municípios do oeste do Pará. Foi o primeiro hospital público do Norte a conquistar o certificado ONA 3 - Acreditado com Excelência.

Por Joab Ferreira
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Destaque

Veja Também

Acidentes (649) Altamira (950) Anapu (47) Belo Monte (220) Belo Sun (13) Brasil (1663) Brasil Novo (630) Celebridades (76) Ciência (177) Cinema (67) Clima e Tempo (40) Curiosidades (754) Desaparecidos (10) Eleições (176) Esporte (72) Governo Federal (307) Ibama (56) Imprensa (107) Internet (341) Itaituba (163) Justiça (621) Marabá (37) Medicilândia (160) Mundo (764) Música (124) Norte Energia (185) Novo Repartimento (23) Pacajá (38) Pará (773) Placas (43) Polícia (2004) Política (1033) Porto de Moz (25) Religião (528) Rurópolis (67) Santarém (200) SBT (290) Souzel (35) Tecnologia (214) Televisão (344) Transamazônica (342) Tucuruí (39) Uruará (290) Vitória do Xingu (123)