Mulher descoberta em caixão de mármore perfeito na Rússia de mais de 800 milhões de anos pode mudar a história da humanidade

terça-feira, janeiro 17, 2017

No verão de 1969, uma descoberta incrível e pouco conhecida foi feita na pequena aldeia de Rzhavchik Tisulskago na Kemerovo região da Rússia. Durante o trabalho de decapagem na mina de carvão local, um mineiro chamado Karnaukhov encontrou um caixão de mármore intrincadamente trabalhado aproximadamente 70 metros abaixo da superfície da Terra.

O que estava dentro desse caixão tem o potencial de mudar a compreensão humana da história deste planeta.

PODERIA A DESCOBERTA DE UMA MULHER DE 800 MILHÕES DE ANOS REFUTAR A TEORIA DA EVOLUÇÃO?

O caixão foi trazido à superfície onde os mineiros de carvão se aglomeraram ao redor e tentaram abri-lo batendo nas bordas. O caixão estava começando a se derreter no sol e, eventualmente, começou a fluir e revelou o que estava dentro. Inicialmente, os mineiros perceberam que o caixão estava repleto de um líquido cor-de-rosa e azul não identificado. Embalsamada dentro do líquido estava uma mulher incrivelmente bela de aproximadamente trinta anos de idade com grandes olhos azuis que permaneciam estranhamente abertos. Estava vestida com um simples vestido branco cortado ao redor do joelho. Os homens que trabalhavam na mina notaram que parecia que ela não estava morta e talvez estivesse apenas dormindo. À frente do caixão, os mineiros recuperou uma caixa de metal preto, retangular.

Notícias da descoberta rapidamente se espalharam entre a aldeia local e, em seguida, as autoridades se envolveram. Aproximadamente às duas da tarde, um helicóptero pousou no local e declarou que a área estava em quarentena e que todos os que haviam testemunhado o que estava dentro do caixão teriam que ser temporariamente isolados. O caixão era muito pesado para ser transportado no helicóptero, e assim os oficiais decidiram esvaziar o líquido antes do transporte. Quando começaram a bombear o fluido, o cadáver começou a escurecer quase instantaneamente.

Raramente, quando substituíram o líquido, o cadáver retomou a forma da bela mulher. O caixão foi então selado, e um helicóptero maior foi chamado para levar o caixão para outro local. Cinco dias após a descoberta, um professor de Novosibirsk que havia sido encarregado de investigar o corpo, disse que a descoberta tem o potencial de transformar a compreensão humana de cabeça para baixo. O professor disse que tinha certeza de que o corpo tinha pelo menos 800 milhões de anos e que o corpo da mulher era mais velho do que o carvão que se formara ao redor do caixão. Ele disse que isso significava que a teoria darwiniana da evolução precisava ser questionada.

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Destaque

Veja Também

Acidentes (649) Altamira (951) Anapu (47) Belo Monte (220) Belo Sun (13) Brasil (1665) Brasil Novo (630) Celebridades (77) Ciência (177) Cinema (67) Clima e Tempo (40) Curiosidades (759) Desaparecidos (10) Eleições (178) Esporte (72) Governo Federal (308) Ibama (56) Imprensa (107) Internet (342) Itaituba (163) Justiça (623) Marabá (37) Medicilândia (160) Mundo (767) Música (125) Norte Energia (185) Novo Repartimento (23) Pacajá (38) Pará (775) Placas (43) Polícia (2006) Política (1036) Porto de Moz (25) Religião (529) Rurópolis (67) Santarém (201) SBT (290) Souzel (35) Tecnologia (214) Televisão (344) Transamazônica (342) Tucuruí (39) Uruará (291) Vitória do Xingu (123)