Funai vai à Justiça contra mineração de ouro em Belo Monte

segunda-feira, fevereiro 06, 2017
Garimpo de ouro da grota seca, na ilha da ressaca, próximo do local onde está previsto a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará.
A Fundação Nacional do Índio (Funai) quer propor uma ação judicial para barrar o projeto de mineração “Volta Grande”, empreendimento que prevê a extração de ouro ao lado da barragem da hidrelétrica de Belo Monte, no município de Senador José Porfírio , no Pará.

A decisão de partir para os tribunais ocorre após a fundação vinculada ao Ministério da Justiça ter sido totalmente ignorada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), quanto à sua avaliação do processo de licenciamento ambiental do empreendimento. Na semana passada, a Semas liberou a licença de instalação do projeto bilionário da canadense Belo Sun, autorizando a construção de toda a estrutura necessária para dar início à extração do ouro, apesar de a Funai ter informado que havia diversas pendências e irregularidades no processo.

Em resposta ao Estado, a Funai declarou que é órgão integrante do rito de licenciamento ambiental e que estudos do componente indígena do projeto, que devem ser feitos conforme o termo de referência emitido pela fundação, são parte integrante do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA).

“A Funai já se manifestou ao órgão licenciador quanto os estudos do componente indígena. Após o check-list para averiguar o cumprimento da estrutura e tópicos exigidos, verificou-se que estes não foram cumpridos, sem que se apresentasse justificativa. Além disso, em seu mérito, o termo de referência não foi cumprido em relação à necessidade de coleta de dados primários, tendo sido colhidos apenas dados secundários”, informou a Funai.

Ignorada na avaliação do processo de licenciamento, a fundação pretende recorrer à Justiça. “Com a expedição da licença de instalação, a Funai analisa a possibilidade de propor uma ação judicial. A Funai entende que nem mesmo a licença prévia poderia ter sido concedida sem a aprovação dos estudos do componente indígena, como exposto anteriormente, já que a viabilidade do empreendimento não pode ser atestada sem estes estudos.”

A licença prévia, que atesta a viabilidade do empreendimento, somente poderia ter sido expedida após os estudos constatarem essa viabilidade e após a aprovação dos estudos pelas comunidades das terras indígenas Paquiçamba, Arara da Volta Grande do Xingu e dos indígenas desaldeados da região da Volta Grande do Xingu, declarou a fundação.

A Funai também entende que o empreendimento não pode se instalar enquanto não transcorrer o tempo de seis anos de monitoramento do trecho de vazão reduzida da hidrelétrica de Belo Monte, local onde se encontra o projeto Volta Grande. Por conta da barragem e do canal da usina, um trecho de aproximadamente 100 quilômetros do Xingu ficará constantemente com sua vazão mínima, ou seja, sem o fluxo natural do rio. “Além disso, após o início da operação da usina, modificou-se a situação da região, de modo que o EIA deve ser revisto considerando-se a nova configuração”, declarou o órgão federal.

A Funai informou que já manifestou ao Ministério Público Federal no município do Altamira (PA) e à Semas sua preocupação com o licenciamento. A barragem de rejeitos do projeto Volta Grande irá se localizar a aproximadamente 2 km do rio Xingu, no trecho de vazão reduzida. Nos estudos do empreendimento, afirma a fundação, “consta que existe a possibilidade de uma ocorrência de rompimento da barragem de rejeitos durante a operação do empreendimento com consequência catastrófica”.

“Portanto, um acidente de extravasamento ou rompimento da barragem de rejeitos comprometerá a viabilidade de reprodução física e cultural das comunidades indígenas da região, assim como a vida de todas as outras pessoas presentes na região da Volta Grande do Xingu.”

Outra preocupação diz respeito a duas pilhas de “estéril” (resíduos), uma com aproximadamente 75 metros de altura e outra com aproximadamente 85 metros. Segundo a Funai, conforme o relatório de resíduos sólidos dos estudos ambientais do projeto, o índice de arsênio na pilha de estéril será 37 vezes maior do que o tolerável.

“Enquanto a mina estiver operando, a lixiviação das pilhas de estéril levará os contaminantes para as barragens de rejeitos. No entanto, após o fechamento da mina, as pilhas de estéril estarão fora de controle, contaminando o meio ambiente”, afirmou a Funai. “Como o arsênio permanece contaminante por muito mais tempo do que é economicamente viável para o empreendedor controlá-lo, o risco de contaminação pela simples lixiviação das pilhas de estéril permaneceriam por décadas ou até séculos. Também existe a possibilidade de resíduos de arsênio na barragem de rejeitos.”

Segundo a Funai, não houve esclarecimentos a respeito destas duas questões.


Fonte: Estadão

Destaque

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (678) Altamira (990) Anapu (48) Belo Monte (222) Belo Sun (13) Brasil (1741) Brasil Novo (640) Celebridades (85) Ciência (184) Cinema (70) Clima e Tempo (41) Curiosidades (833) Desaparecidos (11) Eleições (200) Esporte (73) Governo Federal (332) Ibama (57) Imprensa (112) Internet (371) Itaituba (171) Justiça (656) Marabá (40) Medicilândia (166) Mundo (803) Música (128) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (41) Pará (825) Placas (44) Polícia (2084) Política (1127) Porto de Moz (25) Religião (542) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (295) Souzel (35) Tecnologia (227) Televisão (358) Transamazônica (349) Tucuruí (45) Uruará (299) Vitória do Xingu (126)