Rússia pode proibir filme da Disney por apologia à homossexualidade

segunda-feira, março 06, 2017
Parlamentar afirma que obra é “propaganda descarada do pecado”
Reprodução: Disney
A versão em desenho animado de “A Bela e a Fera” saiu em 1991 e logo entrou para a lista de filmes memoráveis dos estúdios Disney. Um quarto de século depois, a refilmagem live action, com atores vivendo os personagens, opta por incluir uma cena homoafetiva. Resultado? Mesmo antes da estreia, ameaças de boicote se multiplicam.

Nos Estados Unidos, vários movimentos religiosos e conservadores se mostraram contrários a exibição de um filme infantil que tenta apresentar a homoafetividade dentro de uma história infantil. Alguns cinemas já anunciaram que não exibirão o longa por causa disso.

Aqui no Brasil, até agora o pastor Silas Malafaia começou uma campanha contra a Disney, acusando a gigante do entretenimento de defender “a agenda gay”.

Segundo a BBC, a reação mais forte até o momento foi na Rússia, onde as autoridades já estão se posicionando. O país pode proibir a exibição de “A Bela e a Fera”, pois existe uma legislação que proíbe a divulgação de “propaganda gay” para crianças.

O ministro da Cultura, Vladimir Medinsky, afirmou que o filme seria “investigado” antes de um veredito. A lei, em vigor desde 2013, descreve a homossexualidade como “relações sexuais não-tradicionais”.

Vitaly Milonov, deputado do partido Rússia Unida, descreveu o filme como “propaganda descarada do pecado”. Ele pediu que o governo tome medidas para proibir a exibição do filme da Disney baseado na lei que protege menores de idade da exposição a esse tipo de cena.

Seu colega parlamentar Alexander Sholokhov disse que, se as cenas violavam a lei, o filme deveria ser banido dos cinemas russos.

Embora não seja mais crime ser LGBT no país, em 2012 a Rússia proibiu a realização de paradas do orgulho gay por 100 anos, em nome da moralidade e dos bons costumes.

Subtrama gay

A polêmica teve início quando o diretor do filme, Bill Condon, deu uma entrevista explicando que havia uma subtrama gay no enredo. Isso é algo inédito em produções da Disney. O personagem LeFou (Josh Gad) revela uma paixão pelo seu mestre Gastón (Luke Evans).

A trama central continua sendo a relação entre os personagens Bela (Emma Watson) e a Fera (Dan Stevens), mas parece que um personagem secundário está chamando mais atenção.

“LeFou é alguém que um dia quer ser Gastón e no outro quer beijar Gastón”, disse Condon.

“Ele está confuso sobre seus desejos. É alguém que está descobrindo seus sentimentos. Josh fez algo bem sutil e delicioso e isso é o que faz valer no final, que eu não quero revelar. Mas é um momento bacana, exclusivamente gay num filme da Disney.”

Veja Também:
Disney exibe 1º beijo gay em desenho animado e cena quase passa despercebida

Destaque

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (665) Altamira (964) Anapu (48) Belo Monte (221) Belo Sun (13) Brasil (1686) Brasil Novo (635) Celebridades (83) Ciência (180) Cinema (69) Clima e Tempo (40) Curiosidades (786) Desaparecidos (10) Eleições (183) Esporte (72) Governo Federal (319) Ibama (56) Imprensa (110) Internet (349) Itaituba (168) Justiça (633) Marabá (37) Medicilândia (163) Mundo (783) Música (126) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (39) Pará (797) Placas (44) Polícia (2032) Política (1067) Porto de Moz (25) Religião (536) Rurópolis (69) Santarém (203) SBT (293) Souzel (35) Tecnologia (218) Televisão (352) Transamazônica (345) Tucuruí (40) Uruará (296) Vitória do Xingu (124)