Pela culatra: fiasco retumbante da “greve geral” acaba por fortalecer as Reformas

sexta-feira, abril 28, 2017
Com baixa adesão, além dos atos de vandalismo, o efeito será o oposto daquele pretendido
FOTO: MARCELO BRANDT / G1
Um clássico do anedotário político é ideia de que a melhor forma de fazer com que a esquerda perca um embate é deixar os esquerdistas falando. Mas isso não é uma verdade completa. Afinal, a melhor forma de derrotar o esquerdismo é deixar que façam manifestações, “atos” e afins.

Sempre dá chabu. Ou é algo violento, ou a adesão é baixa, ou os dois. E a “greve” geral desta sexta-feira foi um caso desse tipo.

Planejada para enfrentar as reformas da previdência e trabalhista, conquistando a adesão popular e mostrando como todos estariam contrários a isso, no fim das contas a greve acabou por fortalecer aquilo que pretendia barrar. O governo agradece.

Aliás, o próprio Temer já avisou que tudo continua. E é claro que continua. Ou alguém imagina, depois do que houve (ou não houve?) hoje, algum parlamentar com “receio” do povo? Pois é.

Poderiam ter evitado isso, mantendo-se apenas naqueles eventos fechados onde só eles vão. Ao partir para as ruas, revelando que não há endosso por parte das pessoas normais, a esquerda acertou o próprio pé.

Para piorar, a violência faz com o receio agora parta dos próprios esquerdistas.

Quem vai apoiar algo assim, associando-se a pneus queimados, vias bloqueadas, pancadaria?

Destaque

Veja Também