Acadêmicos de Medicina aprendem sobre humanização com o Hospital Regional de Altamira

segunda-feira, maio 22, 2017
Trabalhar na área da saúde é ter a responsabilidade de zelar pelo bem maior das pessoas: a vida. Proporcionar um atendimento completo e de qualidade deve ser a missão de cada profissional e de cada instituição. Mas, para isso, faz-se necessário, além de tratar a doença, oferecer apoio social e psicológico para compreender os medos e anseios dos pacientes. Por isso, a humanização dos serviços tem sido discutida cada vez mais como um processo de construção da ética nas relações entre as pessoas. Focado nessa atenção ao cuidado no atendimento aos usuários, o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira (PA), realizou a palestra “Humanização na Medicina – cuidados em saúde”.


Sob os olhares atentos de 60 alunos da primeira turma de medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA), a diretora Assistencial do HRPT, Luciane Madruga, abordou temas como cuidados com as diferenças individuais, saber ouvir, diálogo, respeito e dedicação, entre outras práticas de humanização disseminadas entre os colaboradores do hospital. Além disso, o Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) da unidade levou para o auditório da UFPA uma encenação que debateu o dia a dia dos profissionais da saúde e sua relação com os usuários.

Na avaliação de Luciane, a palestra foi positiva e tem papel determinante para ajudar a melhorar o atendimento nos hospitais: “A cultura da humanização mudou a forma como os usuários são acolhidos no HRTP', disse ela sobre o hospital público, que é gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

De acordo com o professor da turma, o cardiologista Antônio Pantoja, o momento estimulou a autocrítica dos futuros médicos e buscou sensibilizá-los para a necessidade de melhoria no atendimento e tratamento ao próximo. “É fundamental colocarmos para nossos alunos a importância de sermos médicos humanos, e a diferença que isso faz na vida deles e no atendimento à população. Como queremos formar profissionais humanos, era mais do que justo que trouxéssemos uma equipe que administrasse um hospital com excelência”, avaliou Pantoja.

Para a estudante Débora Leão, aprender a lidar com os usuários de forma mais empática foi um dos grandes diferenciais da palestra: “Com o tempo, vamos ficando desestimulados. Os processos se tornam mecânicos. Então, compreender melhor sobre humanização, agora no início do curso, é fundamental. Me senti muito satisfeita”, ressaltou.

'A partir das ideias debatidas aqui, saímos com a consciência de que podemos melhorar ainda mais esse quadro. A semente foi lançada. Os alunos demonstraram interesse em aprender e proporcionar um atendimento cada vez melhor”, comemorou Luciane.

Por Priscila Melo
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (685) Altamira (1001) Anapu (48) Belo Monte (224) Belo Sun (14) Brasil (1760) Brasil Novo (643) Celebridades (85) Ciência (187) Cinema (70) Clima e Tempo (41) Curiosidades (858) Desaparecidos (11) Eleições (214) Esporte (73) Governo Federal (337) Ibama (57) Imprensa (112) Internet (381) Itaituba (171) Justiça (665) Marabá (42) Medicilândia (172) Mundo (815) Música (128) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (41) Pará (841) Placas (44) Polícia (2105) Política (1154) Porto de Moz (25) Religião (547) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (296) Souzel (37) Tecnologia (229) Televisão (360) Transamazônica (353) Tucuruí (46) Uruará (302) Vitória do Xingu (130)