Conselho Tutelar de Altamira liberta menino de 10 anos que vivia acorrentado em quarto escuro

terça-feira, agosto 22, 2017
O corpo de bombeiros teve que ser acionado para quebrar os cadeados que prendiam a criança


“A criança estava atrelada à cama, tivemos que cortar com alicate o cadeado, pra poder libertar o garoto” conta o Sargento Arcangelo do 9º Grupamento de Bombeiros Militares de Altamira.

Curte nossa página no Facebook e fique atualizado!

Três cadeados, correntes, comida estragada embaixo da cama, ferimentos pelo corpo, marcas de surra com fio elétrico e um quarto escuro, sem ventilação e sujo, essas foram as condições que um garoto de 10 anos foi encontrado em uma casa durante a tarde desta terça (22), na periferia de Altamira região sudoeste do Pará.

O menino estava assustado e chorava após uma surra que segundo o conselho tutelar, durou uma hora. Ele sangrava pela orelha. A cena chocou moradores, vizinhos e equipes do Centro de Referência em Assistência Social. A polícia militar e o corpo de bombeiros foram acionados pelo Conselho Tutelar de Altamira.

“É inaceitável uma condição sub-humana como essa, todos os direitos dessa criança foram violados, toda e qualquer tutela desses pais precisa ser cancelada, vamos tirar o garoto daqui e encaminhar o caso para a justiça imediatamente, isso é um absurdo” explicou Lucenilda Lima, conselheira tutelar.

Segundo o que apurou o Conselho Tutelar, o garoto estava de castigo, por ter pego o celular de uma pessoa, ele foi deixado acorrentado pela mãe e o padrasto aos cuidados de uma idosa de 54 anos. A única alimentação que chegou para o garoto foi o café da manhã que se quer foi consumido, pois o copo virou na cama.

“O que estamos presenciando aqui é um cárcere privado de uma criança, uma atrocidade com os direitos desse menino” detalhou Lucenilda.

O menino foi encaminhado para exames e cuidados médicos na Unidade de Pronto Atendimento. O conselho Tutelar formalizou uma denúncia na Seccional Urbana de Altamira, pelos crimes de cárcere, tortura, agressão doméstica, violação do estatuto da criança e do adolescente entre outros, contra os pais.

DENÚNCIA

A equipe do Conselho Tutelar e órgãos da segurança pública só chegaram até a residência, na Rua WE7 no Bairro Colina, após denúncia anônima. O garoto já é um dos assistidos pelo centro, e faz acompanhamento. Segundo Kerly Gomes, coordenadora do CRAS, o menino também estava sem ir para a escola.

Por Felype Adms e Athaynara Farias | Xingu 230
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Destaque

Veja Também

Acidentes (649) Altamira (951) Anapu (47) Belo Monte (220) Belo Sun (13) Brasil (1665) Brasil Novo (630) Celebridades (77) Ciência (177) Cinema (67) Clima e Tempo (40) Curiosidades (759) Desaparecidos (10) Eleições (178) Esporte (72) Governo Federal (308) Ibama (56) Imprensa (107) Internet (342) Itaituba (163) Justiça (623) Marabá (37) Medicilândia (160) Mundo (767) Música (125) Norte Energia (185) Novo Repartimento (23) Pacajá (38) Pará (775) Placas (43) Polícia (2006) Política (1036) Porto de Moz (25) Religião (529) Rurópolis (67) Santarém (201) SBT (290) Souzel (35) Tecnologia (214) Televisão (344) Transamazônica (342) Tucuruí (39) Uruará (291) Vitória do Xingu (123)