“Sobrevivemos a Faraó, vamos sobreviver à ONU” diz ministra de Israel

quinta-feira, agosto 31, 2017
Ayelet Shaked criticou a nova resolução do Conselho de Segurança da ONU
A Ministra de Justiça de Israel, Ayelet Shaked.
Uma nova resolução imposta pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas foi duramente criticada pela Ministra de Justiça de Israel, Ayelet Shaked.

O texto proíbe Israel de construir novos edifícios na Judéia e Samaria, que são apontados como “território palestino”.

A Resolução 2334 coloca em risco a soberania do Estado de Israel, pois reconhece a Judéia e Samaria como pertencentes a Palestina.

“A resolução do Conselho de Segurança da ONU aprovada antes do Hanukkah nos lembra a nossa história, mas desta vez somos fortes o suficiente e essa decisão não afetará nosso poder”, declarou.


O Hanakkah, citado por Ayelet, é uma festa comemorada no 25º dia do Kislev, o nono mês do calendário hebraico, e celebra a vitória dos judeus contra os opressores.

A festa também comemora a fraternidade, espiritualidade e a vitória da luz sobre a escuridão.

“Há algo muito triste e lamentável na votação do Conselho de Segurança, em relação a resolução anti-israelense. O mundo incentivou. Este é o momento que mostra toda a putrefação na ONU. Milhares de homens, mulheres e crianças estão sendo mortos na Síria, e essa organização nem sequer levanta a mão para ajudar”, denunciou.

Ayelet Shaked considera que a ONU tem tomado medidas para prejudicar o Estado Judeu, enquanto ignoram conflitos e violações dos direitos humanos.

“Mas quando se trata de prejudicar o Estado Judeu, eles fazem alguma coisa. E a Síria está protegendo isso, porque não há resoluções contra a última atualização, mas se for contra o único país democrático do Oriente Médio há dezenas de resoluções. Sobrevivemos ao Faraó, também vamos sobreviver a isso”, concluiu Ayelet.

A ministra também criticou a decisão do Tribunal Supremo de Israel que estabeleceu que os requerentes de asilo devam ser deportados para Ruanda e Uganda, em no máximo dois meses.

Ao jornal Haaretz a ministra criticou o fato de não haver um equilíbrio adequado de juízes liberais e conservadores no Tribunal Supremo de Israel.

Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Pará deve sediar centro integrado de Segurança da região Norte

Pará deve sediar centro integrado de Segurança da região Norte "É preciso que cada um cumpra com a sua obrigação, que tenhamos pulso forte e que se trabalhe muito para que possamos devolver a paz para a população paraense. Tivemos audiência hoje com o Presidente da República, Michel Temer, o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e deputados federais do Pará onde ficou decidido que o Centro Integrado de Comando e Controle da Região Norte será instalado em Belém. É um espaço que integra todos os órgãos de segurança pública, federais e estaduais, com o objetivo de investigar e reduzir a onda de violência que tomou conta da nossa região, do nosso estado e da região metropolitana da nossa capital Belém", disse Helder Barbalho. Por Gleyson Araujo SAIBA MAIS NO LINK: www.tvcidadesbt.com.br/2018/04/para-deve-sediar-centro-integrado-de.html

Publicado por TV Cidade SBT em Sexta, 13 de abril de 2018
Acidentes (733) Altamira (1030) Anapu (57) Belo Monte (227) Belo Sun (14) Brasil (1864) Brasil Novo (668) Celebridades (95) Ciência (192) Cinema (74) Clima e Tempo (51) Curiosidades (983) Desaparecidos (13) Eleições (263) Esporte (76) Governo Federal (369) Ibama (59) Imprensa (115) Internet (415) Itaituba (185) Justiça (713) Marabá (43) Medicilândia (198) Mundo (860) Música (132) Norte Energia (188) Novo Repartimento (28) Pacajá (47) Pará (920) Placas (45) Polícia (2229) Política (1285) Porto de Moz (27) Religião (565) Rurópolis (71) Santarém (218) SBT (302) Souzel (38) Tecnologia (251) Televisão (372) Transamazônica (369) Tucuruí (53) Uruará (321) Vitória do Xingu (138)

Postagem em destaque

Helder lidera em nova pesquisa para governador do Estado

Helder Barbalho (PMDB) lidera na nova pesquisa sobre a preferência do eleitorado paraense nas eleições deste ano ao governo do Estado. Na in...