Rombo no Igeprev é de quase R$ 1 bilhão

quinta-feira, outubro 05, 2017
Situação financeira do Instituto de Gestão Previdenciária preocupa deputados estaduais.
(Foto: Cláudio Santos/Agência Pará)
Já chega a quase R$ 1 bilhão o rombo só deste ano nas contas do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará (Igeprev), o instituto de previdência do Governo do Estado que, na avaliação do deputado Ozório Juvenil, vem maquiando as contas para esconder o valor real do déficit. Segundo os dados apresentados por Juvenil ontem, na tribuna da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), retirados do Siafem, até agosto deste ano o desconto do lado patronal, ou seja, do Governo, para o fundo previdenciário, foi de R$ 113,5 milhões a menos que o do servidor, o que é irregular, já que cabe à patronal a maior parte da contribuição.


Pela regra do fundo previdenciário, o desconto patronal é de 18%, enquanto o servidor público desconta 11% de contribuição para a previdência. Porém, de forma ainda inexplicável, a contribuição do Governo com o Fundo Previdenciário do Estado do Pará (Funprev) até agosto deste ano está em R$ 376.851.573,50, enquanto a dos segurados está em R$ 490.424.796,94. “Mesmo se o Governo estivesse seguindo as diretrizes do fundo previdenciário anterior, os valores deveriam ser iguais, já que antes o desconto era de 11% para os dois lados”, ressaltou.

DÉFICIT


Com o déficit, vem acontecendo a complementação dos valores pelo tesouro estadual e, nessa complementação, o rombo do Igeprev para os cofres do Estado já somam, até agosto deste ano, R$ 967.174.467,95. Porém, a estimativa de déficit total do Igeprev é de R$ 2,2 bilhões. O aporte do Governo, graças a uma mudança na legislação ocorrida ano passado, seria de pouco mais de R$ 1,3 bilhão.

Com esse levantamento, o deputado Ozório Juvenil reforça o que vem alertando desde a semana passada, quando, na reunião da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO), afirmou que, com as manobras contábeis que vem adotando, o Governo do Estado vai quebrar o Igeprev em cerca de 10 a 11 anos.

INSTITUTO PODE COMEÇAR A QUEBRAR EM 2028


O rombo começou a se agravar quando a Alepa aprovou, no ano passado, um projeto de lei autorizando que os servidores regidos pelo regime jurídico do Funprev, que é superavitário em R$ 5 bilhões; passassem para o Fundo Financeiro de Previdência do Estado do Pará (Finanprev), que é deficitário. Os dois fundos provêm recursos para o pagamento da aposentadoria, reserva remunerada, reforma e pensão dos servidores públicos estaduais.

RECURSO


Foi a partir daquele momento que o Governo Estadual pegou o dinheiro do Funprev e usou no Finanprev. “Isso deu um alivio de caixa porque elevou a receita das contribuições e diminuiu o déficit do instituto, conseguindo um fluxo de caixa na ordem de R$ 887 milhões”, explica Juvenil, ressaltando que essa receita é ilusória porque, segundo ele, a partir de 2028 o Igeprev pode começar a quebrar e, em 2032, vai ficar insolvente, ou seja, não terá condições de pagar mais nada.

(Cléo Soares/Diário do Pará)
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

Acidentes (685) Altamira (1002) Anapu (48) Belo Monte (224) Belo Sun (14) Brasil (1765) Brasil Novo (643) Celebridades (89) Ciência (187) Cinema (70) Clima e Tempo (41) Curiosidades (864) Desaparecidos (11) Eleições (217) Esporte (74) Governo Federal (337) Ibama (57) Imprensa (113) Internet (383) Itaituba (171) Justiça (666) Marabá (42) Medicilândia (172) Mundo (817) Música (129) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (41) Pará (842) Placas (44) Polícia (2107) Política (1159) Porto de Moz (25) Religião (549) Rurópolis (70) Santarém (209) SBT (299) Souzel (37) Tecnologia (229) Televisão (364) Transamazônica (353) Tucuruí (46) Uruará (302) Vitória do Xingu (130)