31 DE JANEIRO TERÁ SUPERLUA, LUA AZUL E LUA DE SANGUE NA MESMA NOITE

sexta-feira, janeiro 05, 2018
© NASA lua_sangue_site
Todos os horóscopos de início de ano devem estar te falando que 31 de janeiro será uma noite especial. Astrologia à parte, vai ser mesmo. Do ponto de vista da astronomia, 31 de janeiro terá uma lua bem incrível, um combo de várias versões especiais do satélite: a Lua Azul, a Superlua e a Lua de Sangue. Vai ser a primeira vez em 150 anos, inclusive, que temos uma Lua Azul de Sangue, tudo ao mesmo tempo.


Em primeiro lugar, vale esclarecer que a Lua Azul não é um evento astronômico (e a Lua não fica azul). Tem, sim, a ver com a nossa forma de registrar o tempo. No calendário lunar, um mês (ou um ciclo lunar) dura 29,5 dias. O calendário gregoriano, que é o que estamos acostumados a usar, tem de 30 a 31 dias. Graças à essa diferença, de tempos em tempos temos duas luas cheias no mesmo mês. E a segunda Lua cheia de um mesmo mês é chamada de Lua Azul – e a última apareceu em 2 de julho de 2015.

Já a Superlua já tem uma explicação bem mais legal. Ela é uma Lua proporcionalmente maior e mais brilhante do que estamos acostumados a ver no céu, como você talvez tenha reparado no dia 1º de janeiro, quando uma Superlua fez a primeira aparição em 2018.


Para atingir esse ápice de tamanho, a Lua precisa passar por dois fenômenos distintos ao mesmo tempo.

Em primeiro lugar, precisa estar na fase cheia. Em segundo lugar, precisa estar mais próxima da Terra que o normal. Isso só acontece porque a órbita da lua é elíptica. Ou seja, o caminho que ela faz ao redor da Terra não é um círculo perfeito. Por isso, a distância do satélite em relação à Terra varia bastante. O momento em que a Lua passa mais longe do planeta é chamado de apogeu. Já a posição quando ela se encontra mais próxima é chamada de perigeu.

A categoria de Superlua é dada para qualquer Lua cheia que apareça nessa região da direita da órbita que você está vendo na imagem – quando a lua parece 14% maior e 30% mais brilhante.
Em seguida vem a Lua de Sangue. Nada mais é que o apelido dramático dado à Lua durante um eclipse lunar total, no qual a posição da Lua e a da Terra se alinham de forma que o nosso planeta fica exatamente entre o satélite e o Sol.

Quando isso acontece, a Lua perde a aparência branca e brilhante e ganha um tom avermelhado, que justifica o apelido.

A conclusão é que teremos no dia 31 de janeiro a raríssima combinação de uma segunda Lua cheia mensal, que também será maior e mais brilhante que o normal até o eclipse, quando ela deve ficar não só grande, mas também avermelhada.

Agora que você já sabe como esses fenômenos funcionam, fique sabendo que a última combinação de Superlua e Lua de Sangue/Eclipse Lunar (sem Lua Azul!) correu em setembro de 2015, e as fotos ficaram lindíssimas. Celular a postos: vai que você consegue likes (literalmente) astronômicos.


Fonte: MSN
Inscreva-se no nosso canal do Youtube!

Veja Também

COMERCIAL - AUTO FESTE 2018 EM BRASIL NOVO

COMERCIAL - AUTO FESTE 2018 EM BRASIL NOVO

Publicado por TV Cidade SBT em Quinta-feira, 18 de janeiro de 2018
Acidentes (702) Altamira (1011) Anapu (52) Belo Monte (225) Belo Sun (14) Brasil (1792) Brasil Novo (650) Celebridades (92) Ciência (188) Cinema (71) Clima e Tempo (43) Curiosidades (901) Desaparecidos (11) Eleições (229) Esporte (76) Governo Federal (347) Ibama (57) Imprensa (113) Internet (394) Itaituba (175) Justiça (674) Marabá (42) Medicilândia (183) Mundo (831) Música (130) Norte Energia (186) Novo Repartimento (23) Pacajá (42) Pará (855) Placas (44) Polícia (2141) Política (1190) Porto de Moz (25) Religião (554) Rurópolis (70) Santarém (211) SBT (301) Souzel (37) Tecnologia (231) Televisão (368) Transamazônica (359) Tucuruí (47) Uruará (304) Vitória do Xingu (131)

O Fenômeno Jair Bolsonaro: o único a empolgar o Brasil

Bolsonaro recebido por eleitores pelo Brasil O Brasil sempre foi um país pródigo na produção de suas pérolas, jabuticabas, e na avali...