terça-feira, 24 de abril de 2018

Primeiro Aécio, agora Alckmin, quem será o próximo tucano a cair?

Depois do encarceramento do ex-presidente Lula, em Curitiba, os caciques tucanos começam a ter problemas na Justiça
Aecio Neves e Geraldo AlckminLéo Pinheiro/25.03.2013/Futura Press/Estadão Conteúdo
Era uma bola cantada.

Com o encarceramento de Lula, os caciques tucanos seriam os próximos a enfrentar o rigor da lei.

Abatido por um placar irrefutável de 5 a 0 no Supremo Tribunal Federal, Aécio Neves ainda junta os cacos para tentar manter o mandato, e, principalmente, o foro privilegiado.

Em Minas Gerais, já se fala abertamente da candidatura dele para a Câmara Federal, um meio mais fácil para fugir da primeira instância.


Réu por corrupção passiva e obstrução da Justiça, o senador ainda tem mais oito inquéritos no STF. Pode até se safar da prisão, mas dificilmente se livrará do ostracismo político.

Hoje, ele foi alvo de mais uma acusação: o empresário picareta Joesley Batista afirmou que o senador pediu R$ 110 milhões, em 2014, e, como contrapartida, ajudaria a empresa, caso fosse eleito.

Ciente do peso que é carregar o nome de Aécio, o ex-governador paulista, Geraldo Alckmin, jogou o correligionário aos tubarões: "Claro que o ideal é que não seja candidato", disse em entrevista à Rádio Bandeirantes, logo após a derrota de Aécio no Supremo.

A vingança do neto de Tancredo Neves veio a galope.

A decisão do Ministério Público paulista de abrir inquérito civil para apurar se Alckmin recebeu "por fora" mais de R$ 10 milhões nas campanhas ao governo do estado em 2010 e 2014 é um tiro quase fatal na candidatura do ex-governador.

Essa investigação é a mesma que a Procuradoria-Geral da República, de maneira marota, tinha enviado para a a Justiça Eleitoral.

Com o risco de ser condenado por improbidade administrativa e patinando nas pesquisas, Geraldo Alckmin vai realizar uma proeza caso consiga atrair partidos relevantes, como o MDB e o DEM, para a sua campanha.

O ex-presidente FHC, eterno farol do barco tucano, afirmou que "Geraldo é um corredor de maratona, não de 100 metros".

O problema para Alckmin é que ele pode nem entrar na pista.

E, pela primeira vez, desde a vitória de Fernando Henrique Cardoso, em 1994, o PSDB pode ficar fora do segundo turno da eleição presidencial.

Serra, Aécio, Aloizio Nunes, Eduardo Azeredo, Alckmin...Um a um, os caciques tucanos vão desfalecendo, enquanto esperam o próximo a tombar.

Geraldo é um corredor de maratona, não de 100 metros", disse FHC.

Coluna do Fraga | R7

Compartilhe

Comente no Facebook

NEWS - FORMATURA DA TURMA DE PEDAGOGIA EM BRASIL NOVO

NEWS - FORMATURA DA TURMA DE PEDAGOGIA EM BRASIL NOVO SAIBA MAIS NO LINK: www.tvcidadesbt.com.br/2018/05/news-formatura-da-turma-de-pedagogia-em.html

Publicado por TV Cidade SBT em Domingo, 20 de maio de 2018

Postagem em destaque

Helder lidera em nova pesquisa para governador do Estado

Helder Barbalho (PMDB) lidera na nova pesquisa sobre a preferência do eleitorado paraense nas eleições deste ano ao governo do Estado. Na in...

Mais Acessadas

Arquivo do Site