Slideshow

Breaking News

Igreja é processada por recusar ceder seu centro de eventos para festa LGBT

Uma igreja está sendo processada por um ex-funcionário que gerenciava o centro de eventos do templo por causa de uma cláusula no contrato de trabalho que proibia a realização de eventos LGBT no local.


A disputa começou há três anos, quando um grupo de ativistas LGBT negros solicitou a locação do Ambridge Event Center, na cidade de Portland, estado do Oregon (EUA). O pedido foi recusado porque o centro é propriedade da Paróquia do Santo Rosário, da Igreja Católica. A igreja tinha uma cláusula moral no acordo sob o qual uma empresa chamada Holladay Investors administrava o centro.

O gerente do centro de eventos, Alan Peters, pediu desculpas à organização LGBT e disse que “ele atualizaria as políticas do centro para afirmar a conformidade com a lei e treinaria novamente os funcionários”. Depois disso, a Holladay Investors também contratou um funcionário LGBT.


Agora, a igreja está sendo processada porque logo após o conflito com o grupo LGBT, o contrato com a Holladay Investors para administrar o centro de eventos foi rescindido. O caso está no Tribunal do Condado de Multnomah e envolve um pedido de indenização de US$ 2,4 milhões por violação de fé, discriminação e violação das leis de direitos civis e de negócios do Oregon.

De acordo com informações do WND, a questão central – se os membros da comunidade LGBT podem forçar os membros de organizações religiosas a endossarem seu estilo de vida – agora está diante da Suprema Corte dos EUA, com um desfecho previsto para as próximas semanas. O caso em questão envolve Jack Phillips, um padeiro do Colorado que se recusou a fornecer um bolo de casamento para uma dupla homossexual em um momento em que o casamento entre pessoas do mesmo sexo em seu estado era ilegal.

Nos últimos anos, ativistas LGBT processaram empresários cristãos, pessoas e organizações sem fins lucrativos que não endossam seu estilo de vida, embora a alta opinião tenha respaldado especificamente seu direito de expressar suas crenças.

Fonte: Gospel Mais