Slideshow

Breaking News

Trump e Kim protagonizam encontro histórico

É a primeira vez na história que líderes em exercício dos dois países se encontram pessoalmente; norte-coreano diz que preconceitos e obstáculos foram superados para a realização de cúpula
Kim Jong-un e Donald Trump trocam aperto de mãos histórico antes de cúpula em Cingapura Foto: Host Broadcaster Mediacorp Pte Ltd via AP
Donald Trump e Kim Jong-un realizam nesta terça-feira (segunda-feira em Brasília) um encontro histórico e até há pouco inimaginável após décadas de tensões provocadas pelas ambições nucleares de Pyongyang. É a primeira vez na história que líderes em exercício dos dois países se encontram pessoalmente.

O aguardado aperto de mãos entre o presidente americano e o líder norte-coreano ocorreu às 9h05 de terça-feira (22h05 de segunda, hora de Brasília), em um hotel de luxo, acompanhado por milhões de pessoas em todo o mundo.

No início da reunião a portas fechadas, enquanto os fotógrafos e cinegrafistas faziam as imagens oficiais, Trump disse a repórteres: "não tenho dúvidas de que eu e Kim teremos uma relação incrível". Kim Jong-un declarou que seu país e os EUA superaram "várias das velhas práticas, preconceitos e obstáculos" para conseguir realizar a histórica cúpula.
O palco onde são aguardados os líderes dos EUA e da Coreia do Norte no Capella Hotel, na Ilha de Sentosa, em Cingapura. Foto: REUTERS/Jonathan Ernst
A comitiva de Trump atravessou os portões do Capella Hotel às 21h13 (de Brasília, 8h13 hora local). Minutos depois, Kim Jong-un chegou ao hotel.

Os dois líderes tiveram um encontro a sós, antes de se reunirem com suas respectivas equipes que compartilharam um jantar de trabalho. Mas, apesar da espetacular aproximação diplomática dos últimos meses, persistem muitas dúvidas sobre a cúpula entre os dois dirigentes.

Trump, que tem pouco mais de 500 dias na Casa Branca, vive um dos momentos mais importantes de sua presidência no cenário internacional, onde tem desagradado muitos líderes, inclusive alguns dos aliados dos Estados Unidos.

Em uma série de tuítes postados horas antes do evento em Cingapura, Trump indicou que os preparativos do encontro "iam bem". "Em breve todos saberemos se pode haver ou não um acordo real, diferentemente dos do passado", tuitou, antes de atacar em outra mensagem os "haters e perdedores" que consideram uma concessão arriscada a Kim, com quem o presidente americano trocou ameaças e insultos durante meses.

Kim Jong-un, que até este ano não havia realizado nenhuma visita oficial ao exterior, aparentou desenvoltura diante das câmeras durante seu encontro com o premiê cingapuriano. 

Na noite de segunda-feira, o líder norte-coreano, que chefia um dos países mais fechados do mundo, desfrutou de um passeio em Cingapura e visitou, visivelmente encantando, os locais turísticos mais emblemáticos da cidade.


O Estado de S.Paulo | AFP