Slideshow

Breaking News

Bolsonaro promete medidas para estimular economia nos moldes de Trump

Presidenciável citou como potencial futuro ministro, o economista Paulo Guedes - que acumularia pastas como Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio. "Vamos reduzir a carga tributária. Pela primeira vez vamos ter um presidente da República que vai ter um pacotão que todos vão aplaudir", disse o candidato

(Sergio Lima/Bloomberg)
O candidato do PSL , Jair Bolsonaro, disse nesta segunda-feira que, se eleito, vai adotar uma grande pacote de medidas para estimular a economia moldes do que fez o presidente norte-americano, Donald Trump.

Para Bolsonaro, é preciso retirar dos brasileiros o peso do Estado e adotar medidas de incentivo. Esse é o caminho para gerar empregos, disse.

“Nossa proposta é desregulamentar, desburocratizar… Temos certeza que se continuar como está, o Brasil vai bater na montanha”, disse ele em visita ao mercado popular de Madureira, no Rio de Janeiro.

“Vamos reduzir a carga tributária… Pela primeira vez vamos ter um presidente da República que vai ter um pacotão que todos vão aplaudir, semelhante um pouquinho ao do Trump nos Estados Unidos”, acrescentou.


Trump aprovou o maior pacote de reforma tributária desde os anos 1980, reduzindo o Imposto de Renda para pessoas jurídicas, e renegociou acordos comerciais com outros países, entre outras medidas.


Questionado se haveria espaço para uma redução de impostos em seu eventual governo, Bolsonaro lembrou que está há anos em Brasília como parlamentar e sabe da dificuldade do tema.

“Aos poucos vamos chegar lá, é difícil, mas dá para reduzir a quantidade de impostos inclusive”, disse.

Durante a visita , Bolsonaro tirou fotos e entrou em lojas cercado de aliados e cabos eleitorais.


Ao chegar ao local, o deputado comparou Lula aos líderes das facções criminosas PCC e Comando Vermelho por comandar o PT de dentro da prisão.

STF


O candidato negou que esteja preocupado com o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal sobre denúncia por racismo, e aproveitou para voltar a criticar o STF que, na avaliação dele, estaria querendo legislar em cima de tema relevantes, como a descriminalização do aborto.

Para o parlamentar, o Supremo existe para guardar a Constituição e não para ser um órgão com super poderes.

“O Supremo não pode continuar legislando como quer no aborto. Não é atribuição legislar e não pode ter esse poder todo não”, ressaltou.

Bolsonaro reiterou que se eleito vai reduzir o número de ministérios para cerca de 15, e citou como potenciais futuros ministros que seriam convidados para uma pasta o presidente do PSL, Gustavo Bebiano, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), o general da reserva Augusto Heleno (PRP) e o economista Paulo Guedes, que poderia ser um super ministro, acumulando pastas como Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio.

Com informações do site Exame

Nenhum comentário