Slideshow

Breaking News

Candidatura ao senado de Wladimir Costa, do Solidariedade, é indeferida pelo TRE-PA

Com o indeferimento da candidatura, Wladimir fica impedido de praticar os atos de campanha.

Deputado Wladimir Costa teve a candidatura indeferida pelo TRE-PA neste sábado (15). — Foto: Evaristo Sá/AFP
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PA) indeferiu neste sábado (15) a candidatura ao senado de Wladimir Costa, do Solidariedade. O candidato informou que vai recorrer da decisão.


Segundo os juízes, o candidato é inelegível e o indeferimento se deu “em razão da ausência da capacidade eleitoral passiva verificada nos autos”. Na decisão, os juízes citam que o candidato foi condenado em 2016 por captação ilícita de recursos financeiros e caixa dois na campanha política referente às eleições 2014.

Com o indeferimento da candidatura, Wladimir fica impedido de praticar os atos de campanha, em especial a veiculação de propaganda eleitoral no rádio e na televisão, bem como a utilização dos recursos públicos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. O nome dele será retirado das urnas.


Em 2017, Wladimir Costa foi condenado, por unanimidade, no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) por abuso de poder econômico e gastos ilícitos na campanha eleitoral de 2014. Costa recorre junto ao Tribunal Superior Eleitoral. Em 2016, ele já havia sido condenado a perda de mandato pelo Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA).

Na ocasião, a Corte julgou a arrecadação e gastos ilícitos na campanha eleitoral do deputado. Wladimir Costa declarou que gastou R$ 642.457,48 durante sua campanha à Câmara Federal, mas segundo o MPE, o candidato deixou de declarar R$ 149.950 em despesas de material gráfico, além de mais de R$ 100 mil em despesas efetuadas entre julho e setembro do ano eleitoral de 2014, que não constam na prestação de contas. O deputado recorreu da decisão.

'Deputado da tatuagem'

Em julho de 2017, Wladimir fez aparição pública em Salinas, balnerário do Pará, com a palavra “Temer” tatuada no ombro direito. Acima do nome do presidente, aparecia uma bandeira do Brasil. À época, Costa declarou que a tatuagem seria permanente. Mas logo depois, ele não foi mais visto com o nome do atual presidente no ombro.

Em seu quarto mandato na Câmara, Wladimir saiu do PMDB em 2013, quando ingressou no Solidariedade. Em 2015, foi o parlamentar mais faltoso das sessões plenárias. De um total de 125 sessões, Wlad não esteve em 105. Participou apenas de 20. Do total de faltas, 93 foram justificadas por sua assessoria com atestados médicos relacionados a intervenções cirúrgicas em sua coluna vertebral. Outras 12 ausências não tiveram justificativa oficial.

'Deputado nos nudes'

Em agosto de 2017, durante as articulações para barrar o avanço das investigações sobre a denúncia que pesava contra ele por corrupção passiva, e que havia chegado à Câmara dos Deputados, Wladimir Costa foi flagrado, dentro do plenário e durante a votação, trocando mensagens com uma mulher em que pedia para ela "mostrar a bunda", com a justificativa de que "não são suas profissões que a destacam como mulher".

Com informações do G1 PA

Nenhum comentário